“Bom dia, querida”, Katy Perry desejou para mim por telefone. Estávamos preparados para conversa sobre sua nova fragrância, uma enorme partida das ofertas anteriores, ela me diz. “Eu gosto de manter as pessoas à beira de seus assentos em todas as formas, até mesmo com o sentido de olfato”, diz Perry. “O que ela vai fazer depois?”, Ela diz com uma risada. “Estou tentando redefinir o que a beleza significa para mim”, diz Perry. “Por exemplo, o maior experimento que fiz foi cortar todos os meus cabelos. Agora não posso me esconder atrás. Eu queria saber que eu ainda poderia me sentir bonita e me amar sem ele. É divertido, é libertador, e eu não acho que a “sensualidade” e a “feminilidade” são apenas uma coisa – tipo cabelos longos. Suponho que o objetivo é redefinir o significado da feminilidade para mim. Eu gosto de lançar esse tipo de curva em qualquer beleza tradicional . Além disso, com os novos cabelos, eu recebo uma hora extra para mim todos os dias.”

Não precisa ser uma mulher em particular. Eu acho que há algo bonito nas diferenças.

É claro que com seu novo visual veio uma nova era na vida da estrela do pop. Talvez seja um clichê dizer isso, mas ela parece mais livre. Durante uma transmissão ao vivo de 96 horas antes do lançamento de seu álbum, Katy escolheu abrir-se sobre a escolha de cortar o cabelo e como ele estava enredado em sua saúde mental.

“Eu estava soltando essa coisa que eu criei, que é uma versão mais exagerada de mim”, disse Perry. “Eu passei o fim de semana na praia e a água salgada é a coisa mais curiosa. Entrar no oceano gelado é tão simples e algo que eu fiz centenas de vezes, mas isso melhora você. É uma maneira livre de se conectar. Eu também gosto de fazer meditação. Acabei de começar a minha vida de ioga. Algo que eu julgava há anos. Nos meus vinte anos, eu não entendia, pensava que era lento e chato. Agora, nos meus trinta, eu fico ‘uau, isso é incrível’. Isso me faz mais feliz atualmente”. disse Katy com uma melodia na voz, quando perguntei sobre a última prática de autocuidado em que ela se entregou.

“Já fiz algumas fragrâncias até momento”, diz Katy quando pergunto sobre sua nova fragrância, Indi, “mas essa é diferente. Eu não chamaria isso de unissex, quero dizer, as pessoas podem chamá-lo do que querem – mas eu diria que é mais andrógino do que os meus outros aromas. Ele tem 11 diferentes almíscares que lhe dão um cheiro realmente ousado, forte, mas excessivo. Então a baunilha e a ameixa oriental entram e eles cortam [o almíscar]”. O frasco também não é tradicionalmente feminino. “É limpo, moderno e simplificado”, diz Perry. “É um pouco como o oposto do que eu fiz no passado, o que é bom. Porque é menos feminino no olfato, é mais aberto a interpretação. Não precisa ser para uma mulher em particular. Eu acho que há algo de lindo nas diferenças”. Perguntei por que ela decidiu que era hora de lançar uma fragrância menos gênica, e se foi uma escolha apontada como alguém que está aberta sobre sua frustração com o atual clima cultural e político. “Sim e não”, ela respondeu. “Muitas pessoas que sempre gostaram da minha música e perfumes são do sexo masculino. Muitos me perguntaram ‘quando vamos ter algo próprio?’ Eu respondia: “Não sei exatamente como fazer isso ou falar com você sobre isso, mas vou tentar”. Ela contou que esse mesmo tema também atravessa seus outros projetos. Por exemplo, sua coleção Covergirl possui um batom preto e outros tons e texturas não convencionais. “Todo mundo estava usando e amando. Eu gosto de pregar uma peça no que é a feminilidade tradicional”.
A conversa deu uma volta aos tratamentos e produtos de beleza. “Eu uso Shu Uemura Balancing Cleansing Oil (produto para remoção de maquiagem) todas as noites para tirar minha maquiagem – isso tira tudo. Fui recomendada pelo maquiador de Madonna. Eu era realmente adversa aos óleos porque eu estava tendo problemas de acne. Eu pensava que o óleo era a última coisa que eu precisava. Ela olhou para mim e disse: “Confie em mim, Madonna já usou isso por anos”. Nós conversamos sobre o Vampire Facelift (Tratamento facial feito com sangue), um tratamento aprovado por Kim Kardashian que parece aterrorizante, mas é popular entre os índices de beleza. “Eu realmente estou interessado nisso ‘as pessoas tirando sangue de você, e depois fazendo um tratamento facial em você’, ela me disse. “Ainda não fiz isso porque tenho medo demais. Mas adoro fazer um gotejamento de vitaminas. Eu fiz isso algumas vezes, mesmo antes do Met Ball, e eu me senti como um super-herói”.
Nós conversamos sobre se todos esses tratamentos, embora úteis para o nosso bem-estar e a saúde de nossa pele, são prejudiciais a longo prazo. Katy acha que o vício de nossa sociedade na tecnologia é o verdadeiro culpado. “Eu acho que estamos perdendo nossas mentes sendo tão conectadas aos nossos telefones. Estamos nos dirigindo a uma situação perigosa com os jovens, ter que acompanhar as aparências e a nossa diminuição nos limites de atenção. Olha, eu sou tão viciada em meu telefone Como qualquer outra pessoa, mas é um problema. Você se lembra de um momento em que você poderia sair de sua casa, dizer aos seus amigos quando e para onde estava indo, e ter que encontrá-los naquele exato momento?” Longa história, ela diz. “Estou me preparando para o que quer que aconteça por causa dessa ‘conexão’. Sabe, eu ouvi sobre o Kanye West largar seu telefone há dois anos, e eu pensava: “como ele fez isso?” E agora penso: “Kanye sempre pensou anos antes de todos. Um inovador”. Completou Katy Perry.